Colza

Brassica napus
(Brassicaceae)


(todos os créditos e direitos da fonte Wikipedia se aplicam)

A colza (Brassica napus) é uma planta de cujas sementes se extrai o óleo de colza, utilizado também na produção de biodiesel. As folhas da planta servem também de forragem para o gado (cultivada em muitos países) por seu alto conteúdo em lipídios e conteúdo médio em proteínas.

Os principais produtores são a União Europeia, Canadá, Estados Unidos, Austrália, China e Índia. Na Índia, ocupa até 13% do solo cultivável. Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos,[1] a colza era a terceira fonte de óleo vegetal em 2000, após a soja, e a palma (dendê), além de ser a segunda fonte mundial de alimento protéico, ainda que sua importância seja só a quinta parte da soja.

O óleo de colza, em estado natural, contém ácido erúcico e glucosinolatos que são medianamente tóxicos em doses altas. Houve no passado dúvidas sobre a verdadeira origem das intoxicações ocorridas na Espanha, atribuídas em alguns círculos científicos a herbicidas. Na verdade, estas dúvidas parecem haver desaparecido e, mediante as novas técnicas de análise genética, tem sido possível demonstrar que existe uma predisposição genética à intoxicação com óleo de colza desnaturado.

Melhoramento genético

Um conjunto de variedades geneticamente melhoradas com níveis menores de ácido erúcico e de glucosinolatos foram produzidas no Canadá com o nome Canola[carece de fontes?], que é uma contração de uma expressão em inglês que quer dizer "óleo canadense de baixo teor ácido", ("Canadian oil, low acid"), mas logo este nome foi aplicado indistintamente a variedades cultivadas de colza, sem importar seus níveis de ácido. O óleo começou a ser produzido pela primeira vez no Canadá por Keith Downey e Baldur Stefansson na década de 1970. No Brasil, fica conhecido popularmente como óleo de canola.

Valor nutricional

A verdade é que as plantas usadas no Canadá para a produção do óleo de Canola são cultivadas para produzir uma quantia muito baixa de ácido erúcico. Ele tem um sabor muito leve e é bom para cozinhar, ou como tempero para saladas. O óleo de Canola contém ácidos graxos, ômega 6 e ômega 3 — numa proporção de dois por um —, e perde só para o óleo de linhaça em ômega 3. Alguns agricultores britânicos, como Hillfarm Oils[2] e Farrington Oils[3] começaram a produzir óleo de colza por prensagem a frio para óleo de cozinhar e de tempero. Infelizmente é um dos óleos menos saudáveis do mercado.[carece de fontes?]

Biodiesel

Como muitas fontes de óleos vegetais com significativo teor de moléculas de ácidos graxos, de baixo custo de produção e alta rentabilidade, além de permitir a produção extensiva, a colza tem sido estudada e já usada para a produção de biodiesel, apesar de estudos terem concluido que os óleos brutos de colza não podem ser utilizados diretamente como biodiesel uma vez que este apresenta valores de índice de cetano estimado demasiadamente baixos e viscosidade cinemática cerca de 10 vezes superior ao do gasóleo (óleo diesel). Após as modificações por transesterificação com metanol, obtêm-se ésteres metílicos com características comparáveis às do gasóleo com adequadas otimizações das condições do processo, como temperatura, concentração de catalisador, razão molar metanol/óleo, tempos de reação, permitindo obter rendimentos em éster próximos dos 100%. Estas questões também são similares para o óleo de girassol.

Genoma e sequenciamento

O genoma da espécie Brassica napus está atualmente sendo sequenciado por um consórcio internacional .

Ver também

  • Síndrome do óleo tóxico
  • Óleo de Canola
  • Biossegurança
  • Óleo de Lorenzo

Referências


Onde?

Família(11)

WWW info

Comparar

Continuar a procurar
Tamanho Forma Cor Ordenar
Tamanho Forma
 Cor Ordenar
1 Semelhante (LA):
Nabo
Rapeseed
Koolzaad
Raps
Brassica napus [L.]
Brassica napus [L.]
Raps
Colza
Рапс
欧洲油菜




Faça o download do APP:

Informar seus amigos



Enviar um email
Política de privacidade
© Copyright Nature-Guide The Netherlands 2020 por RikenMon, salvo indicação em contrário.