Ranunculus repens [L.]

Ranunculus repens
(Ranunculaceae)


(todos os créditos e direitos da fonte Wikipedia se aplicam)

A Ranunculus repens , comummente conhecida por botão-de-oiro (também grafado botão-de-ouro), é uma espécie de planta com flor pertencente à família Ranunculaceae.

A autoridade científica da espécie é L., tendo sido publicada em Species Plantarum 1: 554. 1753.

Nomes comuns

Dá ainda pelos seguintes nomes comuns: erva-belida, erva-da-quaresma, flores-de-quaresma, pataló, ranúnculo-pataló, ranúnculo-rasteiro, ranúnculo-rastejante.

Descrição

Do que respeita ao seu tipo fisionómico, trata-se de um hemicriptófito, pelo que passa o Inverno na forma de roseta. A sua época de floração é de Março a Agosto.

É uma planta perene, também dita vivaz (ou seja, que dura mais de dois anos, havendo renovação da parte aérea da planta, que é herbácea). É multicaule, com uma altura que pode rondar os 13 e os 45 cm.

Pode ser glabrescente (ou seja, reveste-se de pêlos fracos) ou densamente hirsuta (revestida por pêlos mais compridos, flácidos e flexíveis). Possui estolhos compridos e rastejantes, que se estendem ao longo da superfície do solo, cujas dimensões variam entre os 15 e os 60 centímetros de comprimento.

As folhas basilares são ovado-triangulares, podendo ser trissectas ou pentassectas, com segmentos fendidos e dentados, se bem que o segmento central é pecíolado e mais longo do que os outros, e amiúde exibindo uma mancha central.

Por seu turno, as folhas caulinares, são semelhantes às basilares, mas têm um pecíolo mais reduzido e têm um feitio menos recortado. As folhas superiores podem ser trissectas ou simples, com segmentos que podem ser oblongo-lanceolados ou lineares.

As flores chegam aos 15 a 30 milímetros, são amarelo-douradas, dispõem-se em sentido opostas ao das folhas e solitárias com pedúnculos sulcados. Dispõem de tépalas também amarelas, que segregam néctar e caem antes do desabrochar da flor. As sépalas inserem-se segundo um ângulo próximo de 90º e estão cobertas de pêlos. O receptáculo é globoso e hirsuto. Os frutos são aquénios comprimidos, que configuram uma espiga obvóide e globosa.

Distribuição

Grande parte da Europa até ao Cáucaso, Ásia, Norte de África e Macaronésia.

Encontra-se, também, naturalizada no Sul de África, na Austrália, na Nova Zelândia e em grande parte da América, tendo sido vastamente difundida como uma planta ornamental.

Portugal

Trata-se de uma espécie presente no território português, nomeadamente em Portugal Continental, no Arquipélago dos Açores e no Arquipélago da Madeira.

Mais concretamente, encontram-se povoações desta espécie presentes nas zonas do Noroeste ocidental, Noroeste montanhoso, Nordeste ultrabásico, Nordeste leonês, Terra quente, Terra fria, Centro-norte, Centro-oeste calcário, Centro-oeste arenoso, Centro-oeste olissiponense, Centro-oeste cintrano, Centro-leste motanhoso, Centro-leste de campina, Centro-sul miocénico, Centro-sul arrabidense, Centro-sul plistocénico, Sudoeste setentrional, Sudoeste meridional e Sudoeste montanhoso. Ficam excluídas, portanto, todas as zonas algarvias e grande parte do interior alentejano.

Em termos de naturalidade, é nativa de Portugal Continental e Arquipélago da Madeira e introduzida no arquipélago dos Açores.

Ecologia

No que toca à sua ecologia, trata-se de uma planta higrófila e ripícola, que prefere os terrenos húmidos que orlam regatos, charcos, lodeiros e depressões húmidas quejandas.

Protecção

Não se encontra protegida por legislação portuguesa ou da Comunidade Europeia.

Taxonomia

Ranunculus repens foi descrita por Carlos Linneo e publicada na revista Species Plantarum 1: 554. 1753.

Citologia

Números cromossomáticos do Ranunculus repens (Fam. Ranunculaceae) e táxones infraespecificos: 2n=32

Etimologia

O nome do genus (Ranunculus), vem do latim e significa “rã” (foi graças a Plínio, autor e naturalista latino, que nos chegou esta etimologia), mercê da ecologia habitual das espécies deste género de planta, que preferem as zonas húmidas, umbrosas e uliginosas, que por sinal coincidem com o habitat do anfíbio homónimo.

O nome da espécie (repens = rasteiro; rastejante) respeita à forma de extensão dos caules da planta, que se dispersam rente à superfície do solo.

Variedades

  • Ranunculus repens var. elatior Coss. & Germ.
  • Ranunculus repens proles prostratus (Poir.) Bonnier
  • Ranunculus repens var. villosus Lamotte [1877]
  • Ranunculus repens var. lucidus (Poir.) N.H.F.Desp. [1838]
  • Ranunculus repens var. glabratus DC. [1824]
  • Ranunculus repens var. erectus DC. [1824]
  • Ranunculus repens var. albomaculatus N.H.F.Desp. [1838]
  • Ranunculus repens subsp. reptabundus (Rouy & Foucaud) P.Fourn. [1928]
  • Ranunculus repens proles reptabundus Rouy & Foucaud [1893]

Sinonimia

  • Ranunculus prostratus Poir. in Lam. [1805]
  • Ranunculus reptabundus Jord. [1860]
  • Ranunculus flagellifolius Nakai [1928]
  • Ranunculus infestus Salisb. [1796]
  • [1]
  • Ranunculastrum repens Fourr.
  • Ranunculastrum reptabundum Fourr.
  • Ranunculus clintonii Beck
  • Ranunculus intermedius Eaton
  • Ranunculus lagascanus DC.
  • Ranunculus oenanthifolius Ten. & Guss.
  • Ranunculus pubescens Lag.
var. flore-pleno DC.
  • Ranunculus lucidus Poir.
var. hispidus (Michx.) Chapm.
  • Ranunculus hispidus Michx.

Propriedades

Esta planta contém anemonina (que é a dimerização da toxina protoanemonina., que é facilmente hidrolizado num ácido dicarboxílico). Esta substância é particularmente tóxica para as pessoas e os animais. Tem um travo acre que faz com que o gado a evite. O mero contacto com a seiva desta planta, por si só, pode causar rubor e dermatite.

Em tempos remotos, a planta chegou a ser usada para confeccionar mezinhas analgésicas e rubefacientes (que avermelha a pele, através da dilatação dos capilares, aumentando a circulação do sangue e aligeirando a pressão sanguínea interna), sendo que se deixou de usar, dada a elevada toxicidade da planta.

Referências

Ligações externas

  • Ranunculus repens[ligação inativa] - Checklist da Flora de Portugal (Continental, Açores e Madeira) - Sociedade Lusitana de Fitossociologia
  • Checklist da Flora do Arquipélago da Madeira (Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens) - Grupo de Botânica da Madeira
  • Ranunculus repens - Portal da Biodiversidade dos Açores
  • Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. 17 de dezembro de 2013 <http://www.tropicos.org/Name/27100216>
  • Ranunculus repens - The Plant List (2010). Version 1. Published on the Internet; http://www.theplantlist.org/ (consultado em 17 de dezembro de 2013).
  • Ranunculus repens - International Plant Names Index
  • Ranunculus repens - Flora Digital de Portugal. jb.utad.pt/flora.
  • Ranunculus repens - Flora-on
  • Ranunculus repens - The Euro+Med PlantBase
  • Ranunculus repens - Flora Vascular
  • Ranunculus repens - Biodiversity Heritage Library - Bibliografia
  • Ranunculus repens - JSTOR Global Plants
  • Ranunculus repens - Flora Europaea
  • Ranunculus repens - NCBI Taxonomy Database
  • Ranunculus repens - Global Biodiversity Information Facility
  • Ranunculus repens - Encyclopedia of Life

Onde?

Família(16)

WWW info


Continuar a procurar
Tamanho Forma Cor Ordenar
Tamanho Forma
 Cor Ordenar
0 Semelhante (LA):
Creeping buttercup
Kruipende boterbloem
Kriechender Hahnenfuß
Bouton d'or
Ranuncolo strisciante
Bugalla
Ranunculus repens [L.]
Лютик ползучий
匍枝毛茛